Ocupando o Campus Urbano

O projeto Ocupando o Campus Urbano é coordenado pela professora Renata Bacelar Teixeira. Iniciado em 2016, foi idealizado visando motivar atividades acadêmicas no entorno dos campi do Campus Urbano como forma dos alunos se apropriarem da cidade. Visa discutir formas interdisciplinares de ensino, pesquisa e ocupação do espaço urbano através de práticas no contexto universitário. Espera-se que a interface entre as disciplinas arquitetura e psicologia beneficie os processos de análise espacial urbana e sua ocupação. Em vista de sua execução o próprio entorno dos campi foi proposto como objeto de estudo e intervenção. A Praça Levi Coelho da Rocha, localizada em frente ao Campus Guajajaras, foi eleita como espaço/objeto de investigação de metodologias que pudessem discutir aspectos comuns às duas disciplinas, arquitetura e psicologia.

O espaço da praça foi considerado adequado em seu potencial investigativo sobre questões relacionadas à convivência dos alunos na interação direta entre espaço urbano e comunidade acadêmica, uma vez que a mesma não parece ser ocupada como praça, simplesmente se configurando como um local apenas de passagem e não de permanência pelo público local. Além disto, pouco se nota uma relação entre os alunos que ocupam o campus logo a sua frente com esta praça, o que acabou gerando questionamentos sobre o porquê desta não interação entre alunos e praça. Consequentemente foram definidos os objetivos do projeto.

Seu objetivo geral foi investigar metodologias decorrentes da arquitetura e da psicologia que possibilitassem aos alunos compreender parâmetros na ocupação de espaços públicos ampliando a compreensão sobre a produção de subjetividade do homem urbano contemporâneo. Seus objetivos específicos foram: a) aplicar metodologias para análise da comunidade que frequenta a Praça Levi Coelho da Rocha e o campus e b) realizar um diagnóstico visando favorecer a ocupação desse entorno. A partir da realização destas ações a ideia é apresentar aos órgãos competentes para que algumas propostas temporárias passem a ser permanentes. O intuito é que com as realizações das ações a comunidade aumente a sensação de pertencimento a este espaço e que ele passe de um espaço ocioso para um espaço com vida, capaz de gerar bons sentimentos e sensações nas pessoas.